Crônicas – Quartas de final – 05/11/2016


17 horas – P-36 4 x 0 Tchouse

p36

P-36 confirma favoritismo e derrota Tchouse por 4 a 0.

P-36 e Tchouse reeditaram um duelo da primeira fase da Liga Beneditina nas quartas de final e, novamente, o time amarelo e preto saiu vitorioso, confirmando seu favoritismo e mantendo-se como principal candidato ao título. Como já era esperado, os atuais campeões tiveram o domínio total da partida e ainda foram “ajudados” por uma fatalidade envolvendo o goleiro da equipe adversária, que bateu de carro na Grajaú – Jacarepaguá enquanto se encaminhava para o confronto.

O campo, castigado pela forte chuva que caiu, foi o grande culpado pela falta de emoção nos minutos iniciais. A bola estava correndo mais do que o normal e o duelo começou morno, com ambos os times exagerando nos erros de passes. O primeiro lance de perigo saiu dos pés de Fred, destaque do Tchouse no campeonato. Ele limpou o zagueiro, mas chutou fraco e Leporace não teve problemas para encaixar. Aos 9, o P-36 abriu o placar com Serman e, a partir de então, pôde colocar em prática seu jogo, de valorização da posse de bola e troca de passes. O Tchouse tentava reagir na base da vontade, porém, a solidez defensiva do time amarelo e preto impedia a criação de chances de gol.

Veio o segundo tempo, e o Tchouse se deu conta que aceitar o jogo imposto pelo rival não o levaria a lugar nenhum. Perdido de um, perdido de dez. Não ia fazer diferença. Logo, lançou-se ao ataque em busca do empate. A estratégia acabou não funcionando e espaços começaram a ser deixados para o P-36, que, rapidamente, liquidou o duelo. Seara marcou o segundo logo no início da segunda etapa com chute cruzado. Em seguida, veio o terceiro. Felipe Boechem acabou fazendo contra ao tentar cortar escanteio. No minuto seguinte, aos 7, Bernardo Seara marcou seu segundo e deixou o placar em 4 a 0, desanimando de vez a equipe alvianil. Com o resultado construído e a vitória praticamente garantida, o P-36 apenas administrou a vantagem e fez o tempo passar até o apito final do árbitro. O triunfo assegurou a vaga na semifinal para encarar o surpreendente BSB, time que o P-36 já venceu na primeira fase da competição.

 

17 horas – Ex-Murfs 2 x 4 Mahmoud

mahmoud

Mahmoud aproveita bolas paradas e bate Ex-Murfs por 4 a 2, garantindo vaga na semifinal.

Outro forte candidato ao título da Liga Beneditina caiu nas quartas de final. O Ex-Murfs sentiu muito a ausência do maestro Jim Paiva e, mesmo contando com um inspirado Dedeco, não foi páreo para o jogo coletivo do Mahmoud, que contou com dois gols em cobranças de falta para vencer.

O duelo começou bem equilibrado, com ambas as equipes se revezando no ataque. Quando o time branco resolveu subir a marcação, acabou sofrendo um gol dos azuis. Dedeco fez ótima jogada e deixou na esquerda para Jorge, quase sem ângulo, chutar cruzado e abrir o placar. A tática do Mahmoud de acionar o pivô Cadu o tempo todo não dava certo porque Maurício fazia uma marcação implacável. Breno teve uma boa chance para empatar após erro na saída de bola do Ex-Murfs, mas Jannuzzi fez ótima defesa. Aos 14 minutos, falta para a equipe branca perto da área adversária. Breno rolou e Mannarino acertou chute seco no canto: 1 a 1. Com a igualdade no placar, os times evitaram se expor no fim do primeiro tempo e não houve mais lances de perigo antes do intervalo.

O Mahmoud voltou com mais apetite na segunda etapa e Cadu teve grande chance logo no começo, porém, chutou por cima. Em seguida, nova cobrança de falta para a equipe branca. Desta vez, Breno cobrou direto e venceu Jannuzzi para fazer 2 a 1. Em outra falta, Cadu quase ampliou. O chute acabou saindo por cima do ângulo direito. Como a partida era picotada por conta do excesso de faltas, as melhores chances só podiam sair nas jogadas de bola parada e foi deste mesmo jeito que o Ex-Murfs empatou. Dedeco cobrou com uma bomba e acertou o ângulo esquerdo do goleiro: 2 a 2. Não deu muito tempo de comemorar, pois, logo em seguida, finalmente Cadu conseguiu fazer o que sabe de melhor: o papel de pivô. Ele girou em cima do zagueiro e chutou cruzado no canto esquerdo para desempatar.

O jogo ficou pegado, com muitas faltas e poucas jogadas criativas e foi caminhando assim até o fim. Já nos acréscimos, Mannarino deu lindo lançamento longo para João Victor, que mostrou muita calma e categoria, e encobriu Jannuzzi com um belo toque: 4 a 2 para o Mahmoud, que irá encarar o vencedor de Pilão e Ralac na semifinal da Liga Beneditina.

18 horas – Bento XVI 2 x 4 BSB

bsb

BSB surpreende e despacha Bento XVI, que teve jogador expulso no início, por 4 a 2.

Se existissem bancas de apostas na Liga Beneditina, em todas o Bento XVI seria o mais cotado para vencer o confronto com o BSB pelas quartas de final. No entanto, como dizem há anos: “o futebol é uma caixinha de surpresas”.  Para começar, o time do ex-Papa chegou para a partida sem Batata, um dos destaques da equipe na campanha. E, para piorar a situação, Felipe Lanzellote foi expulso logo aos seis minutos. Muito concentrados, os Back Street Boys souberam aproveitar a vantagem e mandaram para casa um dos favoritos ao título.

O Bento começou o jogo tentando se impor e Lucas acertou a trave com apenas um minuto de bola rolando. Passado o susto, o BSB equilibrou e conseguiu exercer uma boa marcação, impedindo mais lances de perigo do adversário. Aos seis, aconteceu o lance que mudou totalmente a história da partida. O BSB partiu em velocidade no contra-ataque e Rodrigo Gonçalves já ia driblando Felipe Lanzellote, que era o último homem do Bento XVI, quando foi puxado pelo colete de forma acintosa e caiu. O árbitro não titubeou e puxou o vermelho direto!  Na cobrança da falta ensaiada, os Back Street Boys abriram o placar: a bola foi tocada para Rafael Jupy na esquerda e ele bateu por baixo, vencendo o goleiro.

Com uma equipe entrosada e ainda com gás, o Bento não desanimou e continuou buscando o ataque mesmo em desvantagem numérica. Lucas e Basílio deram bons chutes, ambos defendidos por Lofrando, que estava em uma tarde inspirada. Em outro contra-ataque, Rodrigo Gonçalves teve a chance de ampliar, mas João fez linda defesa. Pouco antes do intervalo, o Bento XVI chegou ao empate aproveitando erro na saída de bola do BSB. Firmo deu passe perfeito para Lucas apenas empurrar para o gol sem goleiro: 1 a 1.

O segundo tempo chegou e com ele o cansaço. O ritmo do jogo diminuiu e os Back Street Boys esperaram o momento certo para aproveitarem o fato de estarem com um a mais em campo. Depois de boa triangulação entre Igor Galera, Marcelo Leitão e Rodrigo Gonçalves, o último guardou em chute no canto direito. O Bento respondeu em seguida com Firmo, mas a cabeçada passou por cima do travessão.

Apesar da entrega de Basílio, que passou a correr o campo todo e se dedicar intensamente na marcação, o time vermelho não teve mais perna para aguentar o ritmo do adversário. Aos 9, Renan Fernandes fez o terceiro do BSB com chute cruzado da direita.  Dois minutos depois, Rodrigo Gonçalves recebeu no mano a mano com o zagueiro, deu lindo drible e apenas tirou do goleiro: 4 a 1. Já no apagar das luzes, Leonardo Roxo deu um chutão para a área do Bento, Basílio tentou desviar de cabeça, mas não conseguiu e a bola entrou: 4 a 2 e fim da caminhada invicta da equipe do ex-Papa. Crescendo a cada rodada, o BSB reencontra o P-36, time pelo qual foi derrotado na primeira fase, na semifinal.

(12/11/16) 15 horas – Ralac 7 x 1 Pilão

ralac

Inspirado na Alemanha da Copa de 2014, Ralac atropela Pilão por 7 a 1.

A expectativa por um confronto equilibrado entre Pilão e Ralac pelas quartas de final da Liga Beneditina não se concretizou. Ligado na tomada de 220v, o time azul e amarelo não tomou conhecimento do adversário e aplicou a maior goleada desta fase da competição, garantindo vaga na semifinal, onde irá bater de frente com o Mahmoud.

Mal o juiz deu o apito inicial, o Ralac já abriu o placar. Pequeno roubou a bola de Caiado e chutou cruzado, no canto esquerdo do goleiro.  Desnorteado com o gol sofrido, o Pilão bobeou novamente na marcação dois minutos depois e o chute errado de Daniel Cinco acabou encontrando Ovo, livre, para ampliar a vantagem. Somente aos 6 a equipe azul conseguiu se acalmar, colocar a bola no chão e criar uma boa trama ofensiva. Vicente chutou de longe e Rangel fez grande defesa. Em seguida, foi a vez de Augusto tentar e o goleiro do Ralac apareceu bem oura vez para evitar o gol. Após as duas chances para o Pilão, a partida ficou muito disputada, com menos criatividade e forte marcação no meio-campo de ambas as partas. Até que Leandro Figueiredo, aproveitando sobra, marcou o terceiro do Ralac aos 15 minutos, com chute no alto.

No segundo tempo, o time azul e amarelo usou da experiência para não correr nenhum risco de perder a vaga e ainda transformar o placar em goleada. Pequeno, com dois gols, deixou o marcador em 5 a 0 e desanimou de vez o adversário, que contava com um Ronaldo sem inspiração. O Pilão tentou descontar com Augusto e Caiado, mas não foi feliz nas finalizações. A equipe azul partiu para o tudo ou nada na última parte do jogo e colocou um jogador de linha no gol a fim de tentar pressionar.

A estratégia não funcionou, tendo em vista que muitos contra-ataques foram cedidos ao rival. Aos 14, Ovo fez o sexto e, dois minutos depois, foi a vez do goleiro Rangel deixar o seu. Ele foi esperto e, ao perceber que o goleiro-linha do Pilão estava adiantado, chutou por cima: 6 a 0. No último minuto de bola rolando, Henrique, livre ao lado da trave, empurrou e fez o de honra do time azul, fechando o placar.

Com a vitória, o Ralac voltou a figurar como um dos fortes candidatos ao título e irá medir forças com a juventude do Mahmoud por uma vaga na grande decisão.